Executivo
Presidência
Ministério Público
Ministério a Comunicação
Ministério da Cultura
Ministério da Educação
Ministério da Justiça
Ministério da Saúde
Ministério do Trabalho
Ministério do Transporte
Ministério do Turismo
Ministério do Exército
Ministério da Marinha
Ministério da Aeronâutica
Polícia Federal
Receita Federal
Legislativo
Senado
Câmara dos Senadores
Judiciário
Justiça Federal
Supremo Tribunal Federal
Supremo Tribunal de Justiça
Tribunal Superior do Trabalho
3° Poder
Maçonaria
Ordens Honoríficas
UNICEF
UNESCO

ONU
Simbolos e Bandeiras
Galeria de Fotos
Selo Elo Social
depoimentos
Apoios e Parocínios
Doações
Sugestões
Twitter
quinto
superinterdencia
convenios
comendas
cursos
trofeu
fale
comunidade
youtube
Executivo

Ministério Público
Ministério Público
Ministério Público
Ministério Público
Ministério Público
Ministério Público
Ministério da Justiça
Ministério da Saúde
Ministério Público
Ministério Público
Ministério do Turismo
Ministério do Exército
Ministério da Marinha
Ministério da Aeronâutica
Polícia Federal
Ministério Público
Ministério Público
Ministério Público
Ministério Público
Ministério da Justiça
Ministério da Saúde
Ministério Público
Ministério Público
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal Receita Federal Receita Federal

SUPREMO TRIBUNAL DE ÉTICA

O IDEAL E O POSSIVEL
O conceito de Ética imaginado, por Sócrates, Platão e Aristóteles:

"Se imaginais que, matando homens, evitareis que alguém vos repreenda a má vida, estais enganados; essa não é uma forma de libertação, nem é inteiramente eficaz, nem honrosa; esta outra, sim, é mais honrosa e mais fácil: em vez de tampar a boca dos outros, preparar-se para ser o melhor possível." (Palavras atribuídas a Sócrates por Platão, ao final do seu julgamento)

Continuidades e rupturas nas três Éticas:

Há elos que ligam os conceitos de Ética defendidos por Sócrates – a noção que basta saber o que é o Bem para praticá-lo – por Platão – segundo o qual é essencial conhecer a Idéia Geral do Bem – e por Aristóteles – para quem o Bem equivale à moderação das paixões. Todos os três estabelecem como fonte da Ética à noção que a Felicidade – entendida no sentido mais a
mplo da eudaimonia – era a recompensa dos virtuosos.

Os três autores buscarão então constituir uma Teoria Ética que parte das premissas que, de um lado, existe uma Ética objetiva e de outro que o homem só pode ser feliz se seguir estes princípios. O tratamento dado ao tema, contudo, varia em cada autor pela interação destas premissas gerais com a teoria mais geral segundo cada um deles interpreta o mundo.

A essência da Ética Socrática é o poder libertador do verdadeiro conhecimento confrontado com a hipocrisia. É através deste conhecimento, acreditava Sócrates, que cada indivíduo era capaz de um dia chegar à compreensão do que é o Bem, conhecimento que por si só tem efeito transformador tanto de quem o adquiria como da sociedade na qual ele viveria.

Partindo dos mesmos pressupostos de Sócrates, Platão avançava no sentido de buscar uma definição concreta para esta Ética objetiva, definindo aquilo que Sócrates não ousou definir. Seu conceito de que seria a Idéia geral de Bem que precisava ser buscada é uma reconstrução adequada à sua noção deste mundo como um reflexo do Mundo das Idéias, acessível apenas aos dotados de um raciocínio filosófico avançado.

Deste conceito ele extraiu tanto a necessidade de uma classe de Guardiães – dirigentes absolutos escolhidos pelo mérito e mantida puros por uma rotina ascética desligada dos interesses materiais – como um projeto de sociedade destinada a exercer o maior grau possível de controle sobre os cidadãos. Ao mesmo tempo que ele advogava que alguns indivíduos seriam bons mesmo sem a coação – como na discussão com os sofistas sobre o Anel de Giges – proclamava a necessidade de uma estrutura social no qual a vida privada estava limitada ao mínimo – ou a nada no caso dos Guardiães que tinham todas as atividades em comum.

A dualidade entre o bem comum e o bem individual – essência da Ética – tornava-se com Aristóteles, totalmente descolada. Enquanto Platão advogava uma sociedade ideal na qual os dois conjuntos de interesses eram mantidos juntos à força, Aristóteles tentava pensar numa sociedade na qual as instituições – baseadas numa análise das paixões humanas – tentavam harmonizar estes sentimentos básicos dos seres humanos de forma a produzir o melhor resultado possível.

Em outras palavras, enquanto Sócrates formulava o problema, Platão tentava criar uma Ética Ideal que moldasse os homens a viver na virtude, enquanto isso Aristóteles buscava a Ética do Possível, que não desrespeitasse as paixões humanas – ora ignoradas por Platão para quem o homem era uma tabula rasa na qual qualquer coisa poderia ser escrita – mas antes as oriente pelo caminho da ponderação até a maturidade racional do equilíbrio...

Para seguir os princípios éticos e morais a CESB – Confederação do Elo Social Brasil, dando seguimento ao contido no Titulo IV, Capitulo “I” Artigos 47º e 48º de Seu Regimento Interno criou seu próprio Código de Ética através do qual  fiscaliza a conduta de todos os Agentes do Mérito do Elo Social.

Com o objetivo de dar aos integrantes da Ordem do Mérito do Elo Social o direito da ampla defesa de suas prerrogativas, criou o Tribunal Regional de Ética, o Superior Tribunal de Ética e o Supremo Tribunal de Ética.

 

 

Movimento Passando o Brasil a Limpo Ouvidoria