top of page

Programa “Lixo Zero, Social 10” finalmente entra na mira do parlamento amazônico


No dia 27 de abril de 2023, após uma sequência de reuniões com a assessora do Senador e presidente do parlamento amazônico Nelsinho Trad Filho, a Sra. Thaissa Lima, finalmente pautou o Sistema INER de Resíduos Sólidos para uma reunião com o departamento técnico do parlamento.


O senador já tem conhecimento do programa há mais de 2 anos e a ideia vem amadurecendo dia a dia, chegando o momento da CESB – Confederação do Elo Social Brasil –, através de seu departamento de honraria composto pela Ordem do Mérito do Elo Social, conceder ao mesmo o título de Embaixador do projeto “Lixo Zero, Social”, em todos os estados que compõem a Amazônia legal.


A chefe de gabinete do senador, Sra. Maria Genilse, tomou ciência da proposta através de nosso oficio notificação nº 522/2023, datado de 27/04/2023 GP-CESB.

Estamos trabalhando na possibilidade de ser o Estado do Amazonas o primeiro a se beneficiar com verbas advindas do fundo amazônico para a implantação de uma solução de 100% da destinação do lixo de todos os municípios do estado, mediante logística já apresentada para a AAM – Associação Amazonense de Municípios.



Informações sobre a última reunião do parlamento Amazônico



Na quarta-feira, dia 15 de fevereiro, ocorreu a reunião de Reinstalação do Comitê Orientador do Fundo Amazônia (COFA), que estava paralizado desde 2018.


Em abril de 2019, o Fundo e o Cofa tiveram suas atuações extintas por decreto do governo federal. Em 1º de janeiro deste ano, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva restabeleceu a governança do Fundo por meio do Decreto Federal 11.368/2023.


O Cofa é a entidade responsável pela definição de critérios e diretrizes estratégicas que devem ser observados na análise dos projetos submetidos ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para apoio com recursos do Fundo. O Comitê é composto por representantes do governo federal, de cada um dos estados da Amazônia Legal e por membros da sociedade civil.


Além do Cofa, a governança do Fundo Amazônia conta com o Comitê Técnico do Fundo Amazônia (CTFA), que tem a atribuição de atestar a quantidade de emissões de carbono oriundas de desmatamento, calculada pelo Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima.


A reunião de reinstalação do Cofa, convocada pela entidade gestora do Fundo Amazônia, o BNDES, ocorreu na sede do banco. Na ocasião, equipes do BNDES e MMA apresentaram as ações programadas para a retomada das atividades do Fundo e os pontos prioritários para sua atuação.


Investimentos – “A reinstalação do Fundo Amazônia foi bastante comemorada por todos os presentes. Anúncios importantes foram feitos, como a retomada de análise de 14 projetos já qualificados para serem aprovados, que tiveram o fluxo interrompido em 2018, bem como o investimento em projetos emergenciais de apoio a povos indígenas e comunidades tradicionais, e estudos de ordenamento territorial”, informou o Rodolpho Zahluth Bastos.


“Novos recursos do Fundo serão disponibilizados até o final do semestre, após o anúncio do PPCDAm 2023, previsto para ocorrer até abril. (Aloizio) Mercadante (presidente do banco) prometeu reforçar a equipe do BNDES responsável pela análise dos projetos. Isso permitirá dar maior celeridade à disponibilidade de recursos, mas é igualmente importante que os projetos cheguem ao BNDES alinhados com o PPCDAm federal e os planos de ação estaduais. O Fundo voltou, e vem mais forte”, afirmou o secretário em exercício da Semas.


O governo federal participou da reunião com integrantes do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima, que preside o Cofa, e de outros dez ministérios, entre eles o de Relações Exteriores; dos Povos Indígenas; da Indústria, Comércio e Serviços; da Agricultura e Pecuária, e da Ciência, Tecnologia e Inovação.


Até 2018, o BNDES aprovou 103 projetos, com valor total de repasse previsto em R$ 1,860 bilhão, sendo R$ 1,512 bilhão liberados pelo banco. Com a análise de novos pedidos paralisada, os desembolsos para os projetos aprovados, que em 2020 foram de R$ 131 milhões, ficaram em R$ 117 milhões em 2021. De acordo com os dados dos informes da carteira do Fundo Amazônia, publicados na internet, no ano passado R$ 54,7 milhões foram liberados, no acumulado até agosto.


Atualização - Com a retomada, o BNDES poderá avaliar 56 projetos que estão na fila de análise para receber apoio financeiro. Com essas solicitações, que somam R$ 2,203 bilhões, de projetos apresentados até o fim de 2018, deverá ser necessário atualizar os pedidos.


Além do anúncio de liberação dos recursos por parte da Noruega, a Alemanha formalizou em 2022 mais uma doação, de 35 milhões de euros. A doação alemã, feita pelo KfW - banco de desenvolvimento estatal da Alemanha -, foi firmada em contrato em novembro passado.


Na última sexta-feira (10), o governo dos Estados Unidos anunciou que também fará uma doação, cujos valores ainda não foram divulgados, após o encontro entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Joe Biden.

57 visualizações1 comentário
bottom of page