top of page

Silvio Almeida para Damares: 'Compaixão mas sem impunidade'

Senadora, ex-ministra dos Direitos Humanos, disse que o ministro está "começando" e que torce para o trabalho, mas alegou que ele "comete equívocos"



O ministro dos Direitos Humanos e Cidadania, Silvio Almeida, respondeu à fala da senadora Damares Alves (Republicanos-DF), que disse que sentia "compaixão" pelo ministro. Em audiência no Senado, nessa quinta-feira (27/4), a parlamentar, que foi titular da pasta durante o governo Bolsonaro, disse que Silvio está "começando" e insinuou que ele comete "equívocos", por falta de informação.


Durante a sessão, Damares alegou que o Ministério dos Direitos Humanos é difícil de ser coordenado e rebateu algumas informações levantadas pelo ministro Silvio Almeida. Uma das críticas da senadora era referente à afirmação do ministro de que a Comissão de Anistia foi abandonada.


"Eu esperava que o senhor tivesse trazido coisas mais práticas para nós. Mas eu entendo que o senhor está começando. Nós vamos acompanhar o seu desempenho, o seu trabalho, mas quando eu falo compaixão, ministro Silvio, eu quero chamar-lhe atenção para um fato, as suas declarações, eu acho que os seus assessores não estão lhe municiando de informações precisas, e isso é muito perigoso para um gestor, porque isso pode incidir, inclusive, em ações judiciais. Cuidado com as declarações.", disse Damares.


"Pede a sua assessoria o número de requerimentos que a gestão anterior analisou. Quando falar, pega os dados corretos, que estão lá nos relatórios. Não deixa a sua assessoria lhe induzir a erros porque é muito ruim para imagem do governo.", rebateu a senadora a respeito da declaração sobre a Comissão da Anistia.

Ainda de acordo com Damares, ela aprecia o ministro Silvio Almeida e disse que torce para que ele "dê certo" no cargo, mas aponta que faltam "ações" e "informações". Algumas das cobranças feitas pela senadora foram voltadas para o Conselho do Direito dos Idosos e Conselho Tutelar, que, para ela, não teve "nenhuma ação nos últimos quatro meses".


Ao responder à senadora Damares, Silvio Almeida disse que também deseja nutrir compaixão pelas pessoas, "não importa o que elas façam".


(foto: Pedro França/Agência Senado)
(foto: Pedro França/Agência Senado)

"Senadora Damares, a senhora falou em compaixão. Esse é um sentimento que eu também quero nutrir pelas pessoas, por todas elas, não importa o que elas façam. Eu quero também ter compaixão pela senhora. É um exercício que eu faço todos os dias quando adentro no ministério. Mas que a compaixão não seja sinônimo de impunidade. A compaixão não será sinônimo de irresponsabilidade", disparou a senadora.


Minutos antes, ela e o senador Eduardo Girão (Novo-CE) ofereceram uma réplica de um feto ao ministro. Silvio interrompeu o parlamentar para repudiar o ato, o qual ele chamou de "escárnio".


Na sequência, o ministro Silvio disse que se a ministra quiser discutir "números", ele está disposto, e apresentou alguns dados. Em seguida, ele rebateu as críticas da ex-ministra dos Direitos Humanos, alegando que a comissão foi sim "abandonada" e ainda apontou que o governo antecessor não distribuía a verba necessária para conselhos, e por isso ele diz que está "reconstruindo" alguns projetos do ministérios.

"Isso é ação concreta, ou seja, não é ficar fazendo live, ficar fazendo agito. É a gente reconstruir o direito administrativo e as questões orçamentárias do ministério. Isso é gestão". "Reconstruir o que foi destruído leva tempo", disse.



fonte: www.em.com.br

46 visualizações0 comentário
bottom of page